sábado, 4 de junho de 2011

O que existe no Universo ?

“O que vemos no céu a partir da Terra? O astro mais próximo de nós é o nosso satélite natural, a Lua. O luar, luz do Sol reflectida na Lua, demora cerca de um segundo a viajar até à Terra. Os astronautas que foram à Lua demoraram um pouco mais – alguns dias – porque viajaram a uma velocidade muito menor do que a da luz. O sistema solar engloba a Terra, a Lua e mais sete planetas e seus satélites (Plutão é desde 2006 considerado planeta-anão). O homem ainda não foi ele próprio a outros astros para além da Lua, mas já enviou sondas aos astros principais do sistema solar e até mesmo para fora dele, como a Voyager II.


A estrela mais próxima da Terra depois do Sol, a Próxima do Centauro, está a quatro anos-luz de nós, isto é, a luz dela demora quatro anos a chegar (para comparação, a luz do Sol demora só oito minutos). A estrela Sirius, uma das mais brilhantes do céu, está a 30 anos-luz de nós. Mas há milhões de outras estrelas só na nossa Galáxia, a Via Láctea, um conjunto de estrelas dispostas numa espiral com um diâmetro de quase cem mil anos-luz. Hoje conhecemos outros sistemas planetários para além do nosso sistema solar: os astrónomos já identificaram várias dezenas. Na nossa Galáxia há estrelas ainda a nascer (a partir de poeira interestelar) e outras a morrer […].


Mas há mais galáxias além da nossa. Essas, ao contrário da nossa, escrevem-se com minúscula. As mais próximas de nós são as Nuvens de Magalhães, relativamente pequenas e só visíveis do hemisfério Sul. Uma bem maior é a galáxia de Andrómeda, que está a um milhão de anos-luz de nós. As galáxias estão juntas em agregados. O nosso grupo de galáxias chama-se Grupo Local. Há ainda outros grupos de galáxias, tão longe quanto os nossos instrumentos de observação permitem alcançar. Os objectos mais distantes – os misteriosos quasares – estão a cerca de quinze mil milhões de anos-luz.”


Fiolhais, C. (2007). Nova Física Divertida. Lisboa:Gradiva, p.160.

Calor e temperatura

“ Toda a gente sabe distinguir o frio do quente. Para tornar quantitativa essa distinção inventou-se uma propriedade chamada temperatura. Um corpo quente está a uma temperatura mais alta do que um corpo frio. Se pusermos em contacto um corpo quente e um corpo frio, a temperatura final é intermédia entre as temperaturas iniciais dos dois corpos. Calor é a palavra usada para descrever o que acontece quando se juntam dois corpos a temperaturas diferentes. Diz-se que ocorreu um fluxo de calor no processo que conduziu ao equilíbrio. No equilíbrio existe uma única temperatura comum aos dois corpos. Se dois indivíduos, um quente e outro frio, derem um aperto de mão prolongado, as suas mãos acabam naturalmente por ficar à mesma temperatura.”

Fiolhais, C.(1991). Física Divertida. Lisboa: Gradiva, p. 139

Energia:que conceito é este?


“ A energia embora sendo algo que toda a gente sabe o que é, ao mesmo tempo é algo que não é fácil definir.”
Jorge Dias de Deus


“Se variar a quantidade de energia, dizemos que o sistema não estava isolado. Se perguntar a um físico em que condições é que a energia interna se conserva, ele responde que se conserva num sistema isolado, e, se se perguntar o que é um sistema isolado, ele dirá logo que um sistema isolado é aquele em que a energia se conserva. Os físicos são, por vezes, uns sujeitos curiosos: arranjam definições circulares às quais não é fácil dar a volta. É muito fácil, de resto, que os físicos tenham sempre razão: se, por acaso, a energia não se conservar numa certa experiência, inventam logo outra forma de energia ou uma partícula que transporte a energia em falta, e tudo bate certo de novo …
O princípio de conservação de energia é uma das leis fundamentais da física. (…) Como as leis se fizeram para serem cumpridas, a energia de um sistema isolado conserva-se em todas as circunstâncias!”



Fiolhais, C.(1991). Física Divertida. Lisboa: Gradiva, p. 147.